De seu hit de sucesso em 2008, “I Kissed a Girl”, ao seu feed no Twitter, a superstar da música tende a despertar a conversa com sua mistura única de humor, sensualidade e paixão.

Mas recentemente, após um ano agitado – e muitas manchetes – em sua turnê “Witness”, e como jurada no “American Idol”, a cantora de 33 anos adotou um tom mais filosófico e disse à Footwear News que está fazendo uma respiração curta da música para se concentrar em seus outros interesses.



Uma delas é a marca de calçados Katy Perry Collections, que foi lançada em 2016 como uma joint venture com a Global Brands Group Holding Ltd. E, de fato, a designer está emprestando sua capacidade de fazer buzz ao maior projeto de caridade da indústria de calçados, a QVC. Apresenta o “Fundraiser do câncer de mama da FFANY Shoes on Sale”.

“Todo mundo conhece alguém que tenha sido afetado por câncer de mama ou câncer em geral”, disse ela sobre servir como embaixadora.


“Quando você está na faixa dos 30 anos, especialmente, você tem muitos amigos que estão enfrentando decisões difíceis em suas vidas, então, de qualquer forma que eu possa fazer parte do movimento que retribui, é um óbvio ‘claro’.”


Katy Perry também comparecerá dia 10 de outubro ao evento QVC para vender calçados de sua linha e falar sobre a conscientização sobre a causa.

“Estamos apenas tentando fazer a nossa parte e retribuir. Meu negócio é relativamente novo e estamos sempre procurando maneiras exclusivas de participar de conversas diferentes, não apenas sobre os sapatos”.


Sarah Ader, diretora de vendas da Katy Perry Collections, disse: “Estamos felizes com o desempenho e com o fato de que essa coleção é um diferencial do que existe no mercado. Nós fornecemos silhuetas com um toque de detalhe e estilo que tornam a coleção da Katy o que é.”


Na sua música, na sua moda, até no seu feed do Twitter, você mostra a destemor. Onde é que isso veio?

“Eu nem sempre tenho isso. Eu trabalhei muito no último ano com minha saúde mental, no meu lado espiritual e emocional. Agora eu tenho tentado encontrar o equilíbrio e não abusar, apenas tentando ficar de castigo. Minha irmã mora ao meu lado e minha família não se incomoda com nada. Eles estão orgulhosos de mim, mas não me colocam em um pedestal – todo mundo é bem normal. Meu namorado, [Orlando Bloom], é uma ótima âncora. Por alguma razão, eu atraio pessoas que são realmente verdadeiras e me chamam de coisas quando estou sendo maluca. ”



Agora que a sua turnê “Witness” terminou, em que você está focado?

“Estou na estrada há 10 anos, então vou relaxar. Eu não vou direto fazer outro álbum. Eu sinto como se tivesse feito muito. Eu sinto como se eu tivesse tocado a estrela pop muito alto, e eu sou muito grata por isso.”

Por que você acha que é o momento certo para dar um passo atrás?

“Bem, eu sabia o que queria fazer quando tinha 9 anos, então tudo se tornou secundário a isso. Eu realmente não prestei atenção em nada além do meu trabalho – o que é ótimo, e eu adoro isso. Adoro fazer música, adoro escrever. Mas eu não sinto mais que eu faça parte de um jogo; Eu apenas sinto que sou um artista. Sinto que tenho que provar nada, o que é uma sensação libertadora.”

Quando se trata de sua marca de calçados, você costuma usá-lo e promovê-lo em sua mídia social pessoal. Por que isso é importante?

“É como um membro meu – é realmente importante para mim – porque é tão cheio de personalidade e acessível. Quando eu era adolescente, tive que criar um orçamento, então eu estava sempre juntando coisas de brechós e lojas de caridade. Eu não podia pagar o que era legal, que era Roxy e Bebe na época. Todas as crianças da minha turma que usavam essas camisetas de $35 dólares, eu ficava tipo “Oh meu Deus, você é rico!”



Nos dois anos desde o lançamento da sua marca, há alguma coisa no negócio de calçados que tenha te surpreendido?

“Eu acho que o que me surpreendeu foi a reação – as pessoas realmente gostam disso. Todas as lojas principais começaram on-line e entraram em locais físicos reais. Eles tiveram muitas chances comigo porque meus sapatos são realmente peças de personalidade. Temos sapatos que são básicos – nós cobrimos toda a gama de calçados – mas principalmente aqueles que eu gostaria de destacar são para aquele indivíduo divertido, único ou alguém que está usando todo preto e quer que a personalidade fique de pé. Os estilos são divertidos, muitas vezes eles são engraçados, bonitinhos. Eles são como sapatos de contar histórias.”



Como você fez malabarismo trabalhando na gravadora entre sair em turnê e seus outros projetos?

“Eu colaborei no design com Johnny Wujek, que foi meu figurinista de longa data para diferentes turnês. Ele entra e me ajuda a planejar o que será o próximo sapato divertido, divertido e leve. Temos um grupo no WhatsApp onde colocamos nossa inspiração no design, temos fóruns, conversamos sobre quais temas queremos e o que funciona e o que não funciona. E quando fazemos um projeto de calçado ou uma reunião de protótipo, é um evento no dia inteiro. A última vez que fizemos isso, eu estava em turnê há algumas semanas na Austrália, e as garotas [da Global Brands] vieram, e trouxeram consigo 700 protótipos. Foi louco.”

Como o seu processo de design se compara a fazer música?

“Eu gosto de meus sapatos para contar uma história através do calcanhar, [perguntando]: ‘Pode ser isso ou pode ser aquilo?’ Eu tentei colocar muitas figuras ou ornamentos diferentes nos saltos para contar uma história e espero começar conversas pelos seus pés onde quer que você esteja indo, o que quer que você esteja fazendo. Música de certa forma é a mesma coisa. Espero que as pessoas falem sobre as músicas.”

Ter sua própria marca mudou a maneira como você olha para o mundo da moda?

“Com certeza. Não é pouca coisa, a logística, a organização e a responsabilidade que você precisa ter. Não é só ‘Ah, eu quero começar uma linha de sapatos’ – quero dizer, não se você quiser ser bem sucedido. Há muitas pessoas que fazem colaborações, e isso é super divertido e bom para elas. Mas eu queria estar à frente – era importante para mim abordar isso como Victoria Beckham fez. Ela pavimentou o caminho para as estrelas pop. Você pode ser levado a sério se levar isso a sério”.

Você está fazendo sua primeira aparição na QVC em 10 de outubro. Você está animada?

“Tem sido um sonho para toda a vida. Eu vi Mariah Carey e todas essas pessoas na QVC. Eu adoro ter conversas com todos os tipos de pessoas diferentes e ajudá-las a escolher algo baseado nos detalhes que elas me dão sobre sua tia, irmã ou neta. Então, eu vou ser meu eu peculiar – quem sabe o que vai acontecer? Mas vai ser muito divertido. Eu só queria ter um terno de três peças e cabelo grande e foi em 1993.”

Quem são alguns dos designers de sapatos que você admira?

“Minhas heroínas são Sophia Webster e Charlotte Olympia. Eu amo Charlotte Olympia, e eu tinha cerca de 10 anos, mas os sapatos são 700 dólares por par. Por isso, tento ser uma espécie de irmãzinha ou prima – a prima acessível.”

Por fim, qual é o seu objetivo para a marca?

“Eu torço tanto às vezes no design. As pessoas vão trazer algo para mim e dizer: ‘Esse é um estilo básico tão bom’. Não sou básica; Eu não estou aqui para o básico. Isso é um desperdício do meu tempo. Estou aqui para atrapalhar este Sleepyville.”


Confira os bastidores do ensaio fotográfico de Katy Perry para a Footwear News:


Não deixem de acompanhar nossas redes sociais, Twitter, Facebook e Instagram para futuras informações.