Aconteceu, ontem (11), no Brooklyn Museum, em Nova Iorque, a 10ª edição do DVF Awards, premiação organizada pela renomada estilista Diane Von Furstenberg, que homenageia “mulheres extraordinárias que se dedicaram a transformar a vida de outras mulheres; mulheres que tiveram a coragem de lutar, a força para sobreviver, e a liderança para inspirar”. Todo ano, cinco mulheres são premiadas e recebem $50.000 dólares em doação para uma instituição de caridade que apoiem.


Katy Perry, chegou ao tapete vermelho em um vestido azul e branco da coleção da DVF, exibindo seus cabelos curtos e platinados, e posou ao lado das outras quatro homenageadas – a educadora Anita Hill, a defensora de vítimas de genocídios Nadia Murad, a fundadora do “The Alchemist Lab” Mustafa Anabtawi, e a ativista de direitos civis Susan Burton – além da própria Diane.



“O que é extraordinário em Katy Perry é que ela realmente usa sua voz e abre seu coração. Ela realmente se preocupa com as crianças e com a comunidade LGBTQ. Ela é compassiva, vulnerável e maravilhosa”, declarou Diane von Fürstenberg durante o evento.


Katy recebeu o prêmio “Inspiration Award” (Prêmio de Inspiração, em português) pelo seu trabalho como Embaixadora da Boa Vontade da UNICEF e por ser defensora dos direitos e à igualdade da comunidade LGBTQ.


A colunista Arianna Huffington, co-fundadora do site de notícias The Huffington Post, foi a responsável por apresentar e entregar o prêmio à Katy.


Em seu discurso de agradecimento, a cantora disse:

“Fica claro para mim todos os dias o quanto nós precisamos uns dos outros. Nós precisamos apoiar a nós mesmos e aos outros com responsabilidade e precisamos oferecer bondade. Ao invés de perpetuarmos a ‘cultura do cancelamento’, na qual estamos jogando o jogo da vergonha constantemente, por que não trabalhamos a favor da cultura da conversação que nos permite praticar compaixão, empatia e apoio?”


“Eu não cito muito a Bíblia. Eu adquiri alguns traumas por ser filha de um pastor. Mas a fé sem trabalho está morta e todo mundo nessa sala tem o poder de transformar as vidas das outras mulheres ao seu redor através da liderança, através da camaradagem e através da comunidade.”


“Eu costumava fugir um pouco de ser um exemplo, porque o meu entendimento dessa responsabilidade era uma suposição de que eu precisava ser perfeita para fazer isso, ou para fazer isso bem. Mas, com o passar dos anos, eu tive que perguntar a mim mesma e àqueles ao meu redor: que crescimento vem da perfeição?”


“Você não pode curar os outros sem estar em uma jornada de cura também. Eu não teria chegado aqui hoje sem mulheres essenciais ao longo da minha jornada, tanto no passado, quanto no presente. Eu talvez não tivesse superado minhas frequentes crises de depressão sem minha irmã, Angela. O meu dia-a-dia se resumiria a existir sem muitas figuras femininas em minha vida.”


Na saída do evento, Katy atendeu e tirou fotos com alguns fãs que a aguardavam.


Não deixem de acompanhar nossas redes sociais, Twitter, Facebook e Instagram para futuras informações.